quarta-feira, 17 de julho de 2013

É tudo verdade...

 
Gente, vocês não sabem! Acompanhei uma visita especial ao Palácio do Planalto, na última segunda! Vou falar rápido porque o tempo está curto. Levei a tiracolo gente do quilate de Bruna Karla, Eyshila, Damares, Ana Paula Valadão. Isso só para citar as cantoras menos famosas. A presidente nos recebeu solícita. Podíamos notar aquele lampejo genuflexo, tipo que bom que vocês vieram! Estavam lá a Gleisi Hoffman e o Gilberto Carvalho. Este senhor sempre me inspira. Era coroinha, olhar profundo. Agora faz o elo entre os movimentos sociais e o Governo. Éramos um movimento social, quase vinte pessoas... O Marcelo Crivella, que é ministro da Pesca e entende tudo de lambaris e anzóis, pescou o fato de que a maioria do nosso grupo representavam as grandes mulheres evangélicas brasileiras. O Gilberto fez questão de frisar, meio que nos restringindo: Ninguém veio pedir nada. Não teve pauta de reivindicação, não teve veto a medida tomada pelo governo ou discutida no Congresso. Foi apenas encontro de mulheres... Oops, estavam eu, ele, Marcelo e outros homens. Bom assim.

A reunião transcorreu maravilhosa. Oramos, cantamos. A Dilma entrou na onda, se emocionou. O coração dela é duro, acostumado nas pelejas comunistas. Perguntou, descontraída, pra Ana: O que é bálsamo de Gileade? A cantora respondeu suavemente, com a aquela voz quase sensual: É um óleo aromático de uma das regiões de Israel. Dilma fez que entendeu com ar sorumbático e mudou de assunto: Quer dizer que ocês louvam? Ora, ora, o violão correu solto. Damares tinha levado uma gaita, sacou a arma, oops, o instrumento e fez os primeiros acordes de Sabor de Mel. Foi mara. Puseram uns microfones, apesar da reunião não estar programada, e elas se revezaram, tipo karaokê sem playback. Ana Paula revelou: A senhora foi muito simpática conosco, nós tivemos momentos de muita emoção aqui, quando cantamos muitas canções, pois somos cantoras. Ninguém entendeu o nexo causal, mas não estávamos ali para coisas complicadas. Segunda não é dia de trabalho em nenhum lugar de Brasília.

Como pedem esses tempos modernos, cada uma fez questão de fotografar com a presidente. Para postar no Instagram, justificaram. Todo mundo tem uma conta na famosa rede social fotográfica para registrar esses momentos diáfanos. Damares até escreveu no dela: Já estamos em Brasília para uma grande missão! Orarmos pela nossa Pátria amada Brasil, e pelas nossas autoridades constituintes! Claro, ela deu uma trombada na língua portuguesa, mas quem não faz isso na grande rede?

O fechamento ficou por conta da Sônia Hernandes. Ela disse palavras profundas (cá pra nós está tão parecida com a Cristina Kirchner, é a idade, né?): Se o povo que se chama pelo meu nome se humilhar e orar eu virei dos altos céus perdoarei seus pecados e sararei vossa Terra, diz a Palavra. A tentativa era reverter a queda de popularidade da presidente. Oops, presidenta. Demora a acostumar, estudanta, clienta, gerenta, docenta, amanta, assistenta...

Antenados como estávamos até esquecemos de evangelizar a presidente, embora orássemos contra a corrupção e para que o País não tenha mensalões e roubalheiras. Eram palavras censuradas por ali, mas no meio de uma oração quem se importa? Fomos embora com a sensação de dever cumprido. Desci a rampa assoviando: Sou humano, não consigo ser perfeito, de Bruna Karla... Esqueci de sair na foto.

Vinha subindo o Eike Batista, prometemos agendar um encontro no porto de Açu... Brasília é assim.

7 comentários:

Salomão Carvalho disse...

Muito boa sua divagação. Que fique bem aclarado que estas mulheres cheias de boa vontade não representam os cristãos.

Escrevi sobre este tema também: "Cantoras Gospel não Representam os Cristãos na Visita à Dilma Rousseff"

http://faroldoforte.blogspot.com/2013/07/cantoras-gospel-nao-representam-os.html?spref=tw

Pastor Geremias Couto disse...

Meu irmão! Que texto! Com as exceções de praxe, é assim que somos! Gostamos de sair bem na foto! Nada mais do que isso! Não diria que falta argúcia política! Diria que é o mesmo espirito do show-gospel-business! Tudo com exclamação!

Abraços!

Matias Borba disse...

Nobre irmão, que belo texto. É uma narrativa do que de fato acontece frequentemente em nosso meio evangélico, combalido, cambaleante...

Deus te abençoe, e que o amor de Deus abra os olhos do nosso povo, que morre por falta de conhecimento bíblico, mas agora também, vai morrendo aos poucos por conta da cara de pau!

Esperta foi a Dilma em convidar pessoas que não lhe cobrariam nada. Uma jogada de mestre!!!

Abraços!

A ESTRATÉGIA: REV. LOUIS P. SHELDON disse...

He, he, he. Muito bom Daladier!

R. Mathos disse...

Gostei do que li. Nenhum exagero, ciumeira ou qualquer papel outro desmedido. Ficou o suspense quanto ao multibilionário Eike Batista. rssrsrsrsr

João Paulo disse...

Caro irmão Daladier, confesso que dei boas risadas com este texto.

Parabéns pela maneira engraçada, porém séria - sem paradoxo - com a qual o irmão transcorreu suas impressões acerca dessa deprimente reunião.

Abraço!

JERRI Adriane disse...

Representante do povo evangélico? o que isso significa????? Cantoras do que mesmo? Orando com a presidente?blablabla... Fazem do povo negócio, adoram mesmo é FAZER MÉDIA COM OS PODEROSOS DESTA TERRA!!!!!