terça-feira, 11 de setembro de 2012

Obreiros de proveta


Os bebês de proveta nasceram da dificuldade de algumas mães de engravidar. Após incessantes pesquisas num mercado promissor e o descarte de centenas, talvez, milhares, de óvulos e embriões hoje há alguma segurança no método. Porém, mães solteiras passaram a se beneficiar do processo que está à disposição da maioria das pessoas. Com boa dose de hormônios adequados e tentativas periódicas, mães podem ter seus bebês. No caso das solteiras há o debate adicional sobre a paternidade, já que nos bancos de sêmen quase nunca se sabe quem é o doador.

Feita a divagação, foquemos os obreiros de proveta. Neste caso o processo não é muito científico. Alguém indica um verdadeiro menino na fé, para ser um obreiro menino. Entenderam o trocadilho? Por vezes, o segundo personagem faz o papel de bobo da corte, animando a platéia, reuniões ministeriais menores ou as constantes viagens. É uma diversão para um trajeto distante. Conta piadas sem graça, ri das piadas do líder mais sobranceiro, não sente sede ou fome senão quando alguém superior a ele expressa sua necessidade. Ele quer agradar. Exige pouco, promete muito.

O obreiro de proveta só se vê sozinho quando faz uma barbeiragem. Até mesmo os que o indicaram procuram se esquivar. Ou quando é colocado contra a parede das situações reais da vida. Bíblia, por exemplo, lhe dá alergia. Quando precisa num estudo mais aprofundado, ele faz uma cena e fica no jogo das frases de efeito. Dá sempre glória mais alto, não por seu timbre (aliás, faz um esforço notável), mas para que todos percebam sua presença. Passa desavisado para a maioria das lideranças, alguns do quais são cultores de bebês de proveta. Esperando que este ou aquele deem certo. Na falta de oração e direção do Espírito Santo, se faz a aposta. Vai que dá certo...

O mercado de obreiros de proveta é promissor. Já há quem os consagre às pencas. Dá votos em disputas eclesiásticas. E há quem compre seus CDs e DVDs e ouça suas prédicas, recheadas de modismos e fogo de palha. Hormonizados pela fama, um ou outro traveste a identidade e disfarça a origem, aparecendo em programas televisivos e radiofônicos. Aos ouvintes é difícil perceber quem era antes de chegar ali. Aliás, história é seu fraco. Não tem biografia. Não vai surgindo devagar, um passo de cada vez. Aparece. De repente! Vez ou outra encarrega um amanuense de escrever um estudo profundo sobre a leveza do ser e está feito. Vai ser convidado para as inúmeras EBOs, congressos de jovens e outros desses milhares de eventos sem resultado prático Brasil afora.

2 comentários:

Mario Sérgio disse...

Realmente o "mercado" desses obreiros é promissor. Gostam de se apresentar pomposamente como "conferencistas" e informam aos membros que possuem profissões muito rentáveis, mas atendendo um "chamado de Deus" resolveram viver "pela fé". E a cada dia que passa eu observo esse tipo de gente aumentar. Misericórdia!

Márcio Cruz disse...

Há alguns anos atrás, ouvi:

Obreiros micro-ondas!!!

Quem sofre é a Igreja do Eterno que não tem um cuidador com experiência para ajudá-la nas dificuldades e situações da vida!

E isto está se tornando muito comum. O Senhor tenha misericórdia!

Exemplo:

Aqui em Manaus, aanntiiigameeennnte, obreiro passava pelo interiorzão. Hoje? Bom, hoje...
Mais de 1000 pastores só na capital. Eleições chegando...
COINCIDÊNCIA????

Bom, deixeu cala a boca e frear os dedos!! rsrsrsrs

Abraços, nobre amigo!!!