domingo, 22 de setembro de 2013

Refletir sobre o sustento financeiro dos obreiros não faz mal...


Meus dez leitores, estão dispostos a ler algo longo? Então, vamos lá.

A Assembleia de Deus nasceu num porão em Belém, em 1910, aonde 18 crentes compreenderam a mensagem pentecostal. Foram desligados de sua denominação que não aceitava a interpretação do batismo no Espírito Santo. A Missão da Fé Apostólica sofreu de modo resignado tanto à oposição católica, quanto evangélica. Diversas igrejas tradicionais acusaram-na de ser desviada, fanática e até mesmo usada pelo Diabo. Isso só para contar quem expressou seu descontentamento. Ainda hoje há quem esconjure o empreendimento. Malfadados os conjúrios a Igreja cresceu.

Certamente, os crentes batistas estranharam o desenvolvimento administrativo da nova igreja. O governo congregacional (não confundir com a denominação), baseado nas decisões do colegiado, lhes facultava a oportunidade de até mesmo destituir o pastor e por outro em seu lugar. Claro, não é por vontade de um ou outro, mas se a assembleia (não confundir com a denominação) quer, é o povo quem decide. Não pesquisei a respeito, mas dada a origem batista dos pioneiros e seu desapego diante dos descaminhos a partir de 1930, por alguns anos ao menos o modelo seguiu impávido. Ainda hoje as Assembleias de Deus de matriz americana implantadas na América Latina o seguem. Mas, aqui, a guinada não demorou muito.

A assembleia de irmãos em geral foi substituída pelas decisões do ministério, veio a vitaliciedade e o gerenciamento financeiro ficou a cargo do presidente e do tesoureiro. Parte de algumas imposições eclesiásticas se impunham numa nova interpretação do papel da liderança, não raro baseadas em profetadas. Antes de prosseguir é preciso lembrar que, no modelo congregacional, embora o pastor detenha o mando sobre as finanças ele se obriga a prestar contas à congregação periodicamente sobre os gastos, seu montante e qualidade. Rubricas específicas como salário pastoral e gastos administrativos são, se não combinadas com os membros, ao menos transparentes e disponíveis para todos.

Dia desses estava lendo um excerto de uma reunião para exposição financeira de determinada denominação e coisas simples foram enfaticamente discriminadas e disponibilizadas na Internet. O exemplo prático é o seguinte (com a troca de nomes, valores e datas):
Troca de professores. Em virtude da aposentadoria do professor de grego João das Quantas, no Seminário Teologia para Todos, nomeia-se o professor Virgulino Ferreira para seu lugar, com o salário mensal de R$ 2,00 (dois reais), a partir do dia 01/01/1900.
Ajuda de custo a pastor sem congregação. O pastor Daniel Berg pergunta: Está congregando conosco o Pr. Judas Iscariotes, que mudou-se recentemente para nossa cidade. Como proceder o pagamento de seu salário? O colegiado responde: A igreja local deve arcar com os custos e enviar o comprovante para a Secretaria Geral, para que haja o devido ressarcimento.
Se não é o ideal, se aproxima bastante do modelo da Igreja Primitiva aonde todos tinham tudo em comum. É justo o contrário de uma Convenção que conheci numa das andanças pelo Brasil que não utiliza sequer um carnê para registrar as ofertas! Após o ofertório o pastor se ausenta do púlpito e dois diáconos contam o dinheiro. Confirmado o valor, o pastor simplesmente põe no bolso!

Muitos tomarão como acinte algumas das colocações adiante, mas é preciso ler e reler para compreender seu sentido. Não podemos nos furtar a este debate por algumas razões/premissas:
1) A administração financeira de muitas igrejas é uma caixa-preta até para obreiros;
2) Gasta-se perdulariamente numa determinada área, enquanto exige-se contenção em outra, ambas com o mesmo nível de prioridades;
3) Alguns obreiros ganham salário (mesmo que disfarçado de ajuda de custo), outros não. Com o mesmo nível de responsabilidade eclesiástica e envergadura intelectual;
4) Mesmo entre os que ganham, há uns que ganham mais e outros menos a critério única e exclusivamente de quem ordena os pagamentos;
5) Há, de fato, necessidade de sustento pastoral ao obreiro, especialmente, aos que regem congregações, pelos seguintes motivos: a) É ele quem conscientiza na ponta aos membros e congregados sobre dízimos e ofertas; b) Ele precisa disponibilizar tempo para o atendimento das ovelhas, do contrário sua administração é capenga e ocasional;
6) Não é por falta de dinheiro que tal ajuda não chega a alguns, o problema está na correta administração dele. E, claro, há outras questões.

Algumas Assembleias de Deus atrelam a ajuda à arrecadação. Descontados os custos fixos e variáveis é calculado um percentual sobre a sobra. É um modelo razoável, especialmente, para um mundo monetizado. O pastor se esforça um pouco mais e a administração central ganha com o incremento. Infelizmente, distorceram o modelo impondo metas e exigindo patamares de ofertas cada vez maiores. Conheço casos, Brasil afora, de pastores traumatizados. O sistema se tornou uma ordenha. Conheço casos, porém, bem sucedidos. Uma denominação derivada da Assembleia de Deus destina 40% da sobra ao pastor. Funcional há várias décadas.

Outro aspecto crítico do sustento se dá quando ele é usado como arma para apoiar decisões. Eventuais discordâncias são punidas com o ostracismo e a supressão do valor, visto que o mesmo não é tido como salário, podendo ser retirado, não raro aeticamente, a qualquer momento. É um modo selvagem que não difere muito da política tradicional. Também acontece o contrário, em virtude do que um obreiro sabe ou das falcatruas que encobre ganha uma margem para achacar o pastor, exigindo valores cada vez maiores e inadmissíveis.

Voltemos ao item 3 de nossas premissas. O que dizer de pastores que até definem seu salário, porém, todas as outras despesas são bancadas pela Igreja, como um cartão de crédito ilimitado? Conheço outros casos absolutamente desiguais e injustos. Um obreiro de mesma envergadura no que se refere à postura ética e comprometimento eclesiástico ganha salário, aluguel de uma boa casa, combustível, mensalidade escolar, pagamento do carro, outro não ganha nada!

Por fim, resta ainda o problema das relações trabalhistas. Os tribunais têm sido favoráveis às igrejas em geral, não reconhecendo o vínculo. Não se sabe por quanto tempo. A realidade é que a ajuda é salário, de onde provem o sustento essencial, e que o pastor se torna exuperyanamente um servo integral da Igreja, na ausência ou na presença. Ou, então, pastor não é. Sem contar a velhice e o ocaso, tão certos como o sol amanhã de manhã. Algumas igrejas precavidas montam fundos de pensão para amparar seus obreiros idosos. Outros obreiros destinam parte da ajuda ao pagamento do INSS como autônomo. Claro que é muito mais conveniente jogar a questão debaixo do tapete. Com o tempo ela já parece uma montanha. De pólvora!

4 comentários:

Mario Sérgio disse...

Parabéns irmão! Esse tema deve sempre ser abordado e refletido, pois muitas injustiças e manipulações ocorrem nessa área. Um sugestão: acredito que na nossa denominação deveria ser adotado o orçamento participativo. Assim, algumas congregações seriam agraciadas com templos maiores ou benefícios, os quais demoram anos pra chegar.

Abraço!

JERRI Adriane disse...

Boa tarde irmão! Aqui em SÃO CARLOS SP temos uma administração esquisita demais, pra não usar outro adjetivo. Já fazem muitos anos que há a promessa de construir o templo sede, mas o que temos é uma construção sem pé nem cabeça que não acaba nunca, um poço sem fundo.QUE VERGONHA!!! OBS: AD BELEM.

R matos disse...

Com respeito a está denominação insinuada e ou á qualquer outra,mas como um todo no que diz respeito a confraria evangélica, sinalizamos adotar a Bíblia como regra prática de vivência e profissão de fé.

No entanto age-se dissimulado quando adota-se costumes e ou posturas que nada tem no quesito de ser Bíblico. Exemplo é o fato de que o obreiro é obrigado a dizimar e ter seu nome exposto no mural como exemplo de compromisso nessa essencial,tendenciosa e defendida parte.

Aqui em Uberlândia, embora não seja eu membro da A.D- Missão, conheço um rapaz que é de lá e disse que R$ 200 Mil foram gastos para cobrir o teto da denominação com forro. Ao passo disso, existe por lá um diácono que tem o telhado de seu casebre segurado por cordas quais amaram as telhas.

um paradoxo. Dinheiro que serviria para promoção humana é empregado e ostentado em pilares de marfim.

Triste fim.

Rosemberg Borges disse...

Eu não concordo com a obrigatoriedade de dar o dízimo, até porque o dizimo no meu entendimento bíblico não é para a igreja, no tempo da graça, prefiro ficar com o que paulo diz 2 Co 9:7 e também não encontrei Jesus dando ordens para que fossem construídos Templos milionários.