segunda-feira, 4 de março de 2013

A urgente evangelização pessoal

Prezados dez leitores, vocês sabem como os temas aqui são variados. Uns desavisados encasquetam com este ou aquele, como se o blog fosse um caderno de uma só matéria. Para bons entendidos uma palavra... Mas, vamos lá.

Leio no blog do Reinaldo Azevedo, sobre o novo papa. Ele fala de um candidato forte chamado Peter Erdo, de 60 anos. É intelectual, tem dois doutorados. Mas a deixa é a seguinte (grifo nosso):
Erdo conta com a estima e a admiração de Bento XVI. Pesaria contra ele o perfil excessivamente intelectualizado e a suposta falta de carisma. No Vaticano, no entanto, despertou admiração o trabalho pastoral desenvolvido em Budapeste. Criou grupos de leigos que passaram a visitar regularmente lares formalmente católicos que andavam afastados da Igreja. Mantém ainda um diálogo bastante próximo com a Igreja Ortodoxa.
É mesmo? Não sei se leram corretamente. Uma das grandes virtudes de Erdo é explorada há milênios pelos Testemunhas de Jeová e por igrejas evangélicas as mais diversas. Podemos fazer concentrações evangelísticas, trabalhos em rede televisiva como a da Associação Billy Graham, mas é o olho no olho que traz resultados efetivos, a curto, médio e longo prazo. Claro, claro, dá trabalho, você leva porta na cara, precisa de argumento e preparo. Mas não vejo outra alternativa. Aliás, é alternativa proposta por Cristo em Marcos 16:15.

Nada contra quem fizer seus trabalhos diferenciados. Já promovemos e os promoveremos a qualquer momento nas igrejas que auxiliamos, mas o chamado trabalho formiguinha é imprescindível.

Somente para registro, estávamos numa sala com umas 200 pessoas, ouvindo a palestra do Pr. Geremias do Couto, na última edição da Consciência Cristã, em Campina Grande. Num determinado contexto da prédica ele perguntou: Quantos aqui encontraram Jesus através da TV? Uma pessoa levantou a mão. E quantos através do rádio? Outra pessoa. Quantos foram salvos através da evangelização pessoal e da pregação dos familiares? A maioria esmagadora.

Prestemos atenção a isto. Já há quem não queira praticar o evangelismo pessoal, por comodismo, por um eco dos tempos politicamente corretos e por um sem número de razões. Só não digam que é por falta de efetividade. Eu sei que é o contrário das pretensões midiáticas de algumas igrejas, mas o milagre da multiplicação das almas só ocorre quando um discípulo leva outro a conhecer Jesus. O mais é balela para vender DVD e apostila.

Como diz o Ronaldo Lidório, é uma tentação ver a terra arada sem colocar a mão no arado... Enquanto o nosso papa não é conhecido (Oops! Nós também estamos em processo de escolha, não é?), fiquemos com a fórmula que dá certo.

2 comentários:

Pastor Geremias Couto disse...

Boa é esta palavra!

Até a Associação Billy Graham aprimorou a sua estratégia com o projeto Minha Esperança. Ele se ancora em programas e TV sem abrir mão dos lares, que se transformam em mini-estádios, durante os dias das transmissões, para que "parentes, amigos e vizinhos" (portanto, contato pessoal, olho no olho) sejam convidados, assistam aos programas e, mediante o trabalho pessoal do dono da casa (ou dona, denominado de Mateus, levá-los a um encontro com Cristo.

Nada substitui o trabalho pessoal.

O novo Papa, se for este, estará absolutamente certo, como dizia o J. Silvestre.

Abraços!

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Caro amigo e pastor Daladier Lima,

Graça & Paz!

Coincidentemente, ontem , em nosso culto dominical, tivemos uma experiência pra lá de especial sobre esse tema.

De forma espontânea e informal, transformamos nosso culto em culto de testemunhos, veja lá!

Nenhum dos testemunhos contados, versaram sôbre encontro com Jesus através de rádio e ou TV - Todos foram a partir de abordagem pessoal ou participação em cultos no templo.

Um grande abraço,

Pr. Carlos Roberto
Point Rhema